sábado, 3 de março de 2012

"Falsa face"


O pungente estímulo que me rege;
desenvolve-se,
aninha-se,
plorifera-se no meu  estado de Ser vulnerável.

Os delírios de uma vida feliz que precede meu dia;
se esvai,
se perde,
sucumbi de maneira uniforme e diária.

O silêncio que me rodeia e a voz que falha aos ouvidos pérfidos;
suavizam,
apaziguam,
Enquanto houver tempo pra pensar...
Enquanto houver questões pra serem discutidas,
Enquanto houver interesses adversos a serem comparados.

O eco do mundo que sussurra em meus ouvidos;
regenera-se,
realinha-se,
restitui-se a cada palavra perdida, a cada sentimento velado.

Rasgando o véu da imoralidade ferida;
Dissipando as mentiras de uma vida sofrida;
Reintegrando as lembranças que fora esquecida e pondo à parte na memória,
recordações de tristezas, por ora, já vencidas.





                                                                 Flore Papílio
                                                                                    

Nenhum comentário:

Postar um comentário