quinta-feira, 15 de março de 2012

Sem rendição

Depredaram-me no ato do manifesto, arrancando-me a última coisa que restava, a esperança.
Tripudiaram -me até o último instante e esperaram que me rendesse, mas em um lapso de fúria, ergui-me e declarei guerra mais uma vez a vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário